terça-feira, 6 de maio de 2014

ANTES DE TUDO ME AMO.

Há muito, antes de me sentir abandonada, me sentia só e não sentia corpo algum no meu até mesmo minha alma me abandonou, só rolava no chão em lagrimas, na cama cheia de sacos reluzentes de prestigio, sonho de valsa e batatas da onda, nestes dias a marca e a lembrança era tudo que tinha e quando quase deixei esse mundo percebi que não era o que eu precisava fazer. Tinha de seguir ma vie.

Sai de casa e foi as compras não pra gastar loucamente, mas pra comprar um lingerie que agrada simplesmente a meu espirito, já tinha em mente o que escolher, chegando a loja me senti desatualizada, tantas novas opções, escolhi o visual retro que me esconde mais que mostra de uma maneira incrivelmente sexy.

Organizei todo o quarto tinha de estar perfeito, tirei minha nova adquirição na cama e foi ao quarto de banho.

Liguei o chuveiro e levemente senti a água morna em meu corpo lavando vagarosamente o sujo rancor das lembranças daquele corpo que tanto me fez mal, com a bucha em sabonete liquido refrescante lavei toda a extensão de minha pele, meus cabelos lindamente sedosos novamente e levemente usei a gillette que trás calafrios de prazer, no roupão cuidadosamente fui até o quarto.

Velas com essência de lavanda, janela aberta com as estrelas como testemunha, uma taça de vinho eu e meu novo sentimento, não posso mais ser escrava de quem não me quer e há muito não desejo.

Vagarosamente minhas mão passam sobre os seios com total sintonia comigo mesma sentindo as duas fases do amor a doação e o recebimento, enquanto me toco os seios deso sobre minha bariga encontro o leve tecido rendado passo sobre ela e encontro as penugens leves de minhas coxas sinto meu corpo arrepiar encontro a virilha e minha cabeça não pensa em mais nada além  de meu próprio corpo um frio sobe pela espinha, já sinto minhas entranhas umedecer vagarosamente chego até ela com poucos pelos lindamente torneada, esta quente como não imaginava ficar a muito, um vulcão explode extremamente devagar de meus pés  a minha cabeça a voz grita em silencio não sou mais eu que ali está é apenas uma mulher que se ama e sente-se amada sem pressa nem vontade de terminar sinto todo o lençol em minhas mãos braços e parte das costas arrepios múltiplos invade meu corpo e como um foguete invado as estrelas que me fazia de testemunhas, lentamente volto a terra me abraço dou um sorriso de canto de lábio SINTO-ME VIVA NOVAMENTE, Pois ME AMO.